quinta-feira, 12 de abril de 2018

A Justiça é um Sistema Único



A Justiça é um Sistema Único

A Justiça é um Sistema Único e deve agir como tal.

Jurisdicionado é todo aquele que está sob jurisdição, ou seja, sendo julgado. Entendo que, se pensarmos de maneira mais filosófica e ampla, todos somos jurisdicionados, pois, a cada julgamento a sociedade inteira está sendo julgada em conjunto.

Pelas decisões do Poder Judiciário julgamos se estamos avançando como sociedade.
Se somos igualitários, se somos legalistas, se somos éticos, imparciais...

Também temos uma idéia do tipo de frutos que estamos gerando. Estudiosos, cientistas, artistas, ou se nossa sociedade produz marginais e marginalizados.

A sociedade não divide o poder judiciário em primeira, segunda, terceira instância.

Pra ela (e na verdade ela está correta) TJ, STJ, STF, TRF 1 2 3 4, são letrinhas que correspondem a um mesmo sistema, a saber, O JUDICIÁRIO.

Daí surge o Instituto da Segurança Jurídica.

Pensamos que O TODO do Judiciário, vai agir de forma coerente ao promover a desejada Justiça.

Porém, não é o que está ocorrendo.

Sem entrar no mérito de culpa de qualquer lado, para a sociedade como um todo, isto inclui os técnicos que atuam no judiciário, causa perplexidade a proteção jurisdicional que recebem os políticos de Direita.

É vergonhoso, causa ânsia e desgosto. Cheira a podre.

Daí não há argumento que defenda o sistema.

Nada contra Aécio. Nada contra Alckmin.

Não há como negar que o julgamento do outro acusado de Esquerda, tenha teor político.

NÃO ESTOU FAZENDO JUÍZO DE CULPABILIDADE OU INOCÊNCIA.

Mas o tratamento diferenciado do judiciário me remete à Teoria da Árvore Envenenada (Fruits of the poisonous tree).

Se a árvore está envenenada, podre, todos os seus frutos também estão.

O tratamento privilegiado que o sistema judiciário está dando aos Tucanos, contamina o processo rígido que dispende aos Petistas.

Assim, a falta de processo contra um, anula o processo contra o outro.

A análise é estendida e aplicada contra o sistema completo. Isto é possível, ao meu ver, por se tratar o Judiciário, enquanto poder, de um Sistema Único.

Dr Helton Fesan, tentando entender o Brasil a partir de suas leis.

#boraprapista

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Como se convence um Juiz?


por Dr Helton Fesan.

Existe um princípio chamado "Livre Convencimento do Juízo"

Significa que ele decide segundo suas convicções.

Lembremos que o juiz (a) é um ser humano comum (assiste futebol, chora com novela, acha fofo o cachorrinho da internet, joga video game, tem sogra, ciúmes do marido...)

Não é um ser de outro planeta.

Quando perguntamos se uma pessoa é culpada ou não, o conjunto de provas que se apresentam será analisado conforme as convicções pessoais do juiz.

Nestas convicções pesará principalmente sua formação jurídica e sua vivência no judiciário, ou seja, ele aplicará o entendimento das leis que estudou durante toda a vida profissional e acadêmica e caminhará conforme o proceder do meio em que foi forjado, qual seja, o judiciário.

Assim é em todas as profissões. Engenheiros tendem a pensar como engenheiros, médicos como médicos e artistas como artistas.

Atualmente o judiciário segue uma tendência punitiva. Com altos índices de violência e criminalidade a resposta do judiciário fica mais dura, mais punitiva, ou seja, o conjunto de indícios provocam o entendimento mais voltado para a culpabilidade, isto porque, se no dia a dia o crime é a regra, os indícios irão confirmar a regra.
Se temos um crime incomum ou raro, a regra se inverte, ou seja, precisamos de mais indícios e provas para condenar, pois, a regra é que não seja crime, pois incomum.
Em suma, quanto maior a incidência de um crime, menor a necessidade de indícios para confirmá-lo.

Para o bem e para o mal, esta é a base do convencimento de culpa no judiciário.

*Dr Helton Fesan*

quarta-feira, 21 de março de 2018

Pessoas Matáveis


O que nos incomoda, nos assusta e nos indigna sobre Marielle Franco é que ela era uma pessoa "MATÁVEL".

Independente de suas ideias, das quais discordo de várias, independente de seu lugar no debate político ela era uma pessoa que se pode matar.

Era uma pessoa que dava opiniões que desagradavam, mas estava acompanhada de diversos militantes que igualmente as dão e ai estão vivos e incomodando a quem possa se incomodar.

Mas os incomodados por eles em regra xingam ou, na maioria, se mudam.
No caso dela, os incomodados cogitaram e executaram calá-la com a morte.

Os brancos da extrema esquerda e direita  podem ser xingados, processados e, as vezes agredidos, mas raramente são pessoas "matáveis".

Os negros, pardos, mestiços, mulatos e não brancos em geral, são matáveis. Se tiverem raiva de nós, se não suportarem nosso discurso, se pegarem birra, se olharmos feio, se sentirem-se ofendidos, logo vem a possibilidade de se vingar com a morte.

Nossa regra número 1 - Se manter vivo, pois ainda somos "seres matáveis".

E isso não tem nada a ver com política partidária.

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Os dois Cristos de Pantera Negra Jornada do Herói e Conflito Messiânico

Os dois Cristos de Pantera Negra
Jornada do Herói e Conflito Messiânico.

“João 11:1 - Ele veio para o que era seu, mas os seus não o receberam”

Ele saiu de sua terra com seu pai ainda menino e se educou em terras distantes. Se tornou um sábio em todas as ciências e tradições e retornou a sua terra iniciando uma pregação que traria o tempo da graça não apenas para seu povo, mas todos os gentios.

Esse é o arco do nosso anti herói Erik Killmonger. Poderia ser o arco de Cristo, não aquele que conhecemos e adoramos como nosso salvador e redentor, mas o guerreiro vingador aguardado pelos hebreus, que viria (ou virá) como vingador e colocará Israel no comando do mundo.

Neste aspecto a Narrativa que conta a luta pelo governo de Wakanda não trabalha com sutilezas, o recado é gritante: Um chamado da diáspora Africana para que se coloquem em posição de guerra e retomem a liderança sobre as nações do mundo.
O Messias que retorna com a espada.
No seu caminho há um obstáculo. O já consolidado Rei. Aquele que senta ao trono sob a bênção do Pai.
Sim, novamente o Cristo. Mas esse o nosso conhecido Messias do amor. Aquele que no inicio é relutante quanto à uma abertura (“Não vim para revogar a lei, mas para que em mim ela se cumpra)
T’chala, tem sua jornada iniciada com o ato do perdão, quando poupa a vida de seu oponente na disputa ao trono. O Chefe Goriila não morre mas vive isolado com os seus em local distante no reino. sempre a espreitar e cobiçar o trono de Wakanda.

Quando esses dois Messias se encontram prevalece a espada, já que a espada sempre se dará melhor com a vingança do que com o amor.

Mas o amor tem uma arma insuperável: A ressurreição!

T’chala desceu à mansão dos mortos e ressuscitou para cumprir sua jornada. O amor é  aquele que se entrega, que nega a si mesmo em nome da humanidade. Mas na saga de Wakanda, regida pela caneta da Marvel, há uma saída malandra para que não se crucifique o Rei.

O sacrifício é destinado ao Cristo Vingador e seu sangue derramado inspira T’chala a abrir uma porta de salvação para os gentios.

Agora aquele que não nasceu em Wakanda, o povo escolhido e separado por um meteoro, pode usufruir da graça e prosperidade que este poder trouxe.

Mas ninguém vai ao pai senão pelo nome do filho.

Ninguém chega à Wakanda sem ser súdito do Rei Pantera.

Qual será o preço cobrado por quem ousa ser um messias vivo?
Isso só pertence à Marvel.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Por que Pantera Negra mexeu tanto com a gente?


Se você é negro, não o simpatizante da comunidade, não o parente de x grau nem o cônjuge apaixonado…. Digo se você é negro, da pele negra sem desculpas e nasceu na década de 80 pra baixo, você só sabe o que é “ser negro” pelos olhos americanos.
Sim, os EUA nos ensinaram o que é Motown, Funk, Luther King, Malcon X, Soul, Blues, Rap, Jckson 5, GlobeTrotters, NBA, O cara negro do Filme Guerreiros, O Jhones no filme do Bruce Lee, Cosbi, Will no Maluco da Pesada, Eddie Murphy, Eddie Murphy e mais Eddie Murphy, Blade, Os irmãos Hines sapateando, Denzel Washington, Morgan Freeman, Oprah, Whoopi Goldberg, Diff'rent Strokes (Arnold) e etc etc etc e … Black Panters!
Sim meus amigos, se não fossem todo esse povo aí, a auto estima não teria resistido e ia morrer de vez.
Tínhamos nossas referências aqui? Claro que sim. Mas eram os Negros Americanos que brilhavam aos nossos como guia e exemplo a se seguir.
Eram mais altos, mais altivos, mais rebeldes, mais ricos e mais negros.
Nós aprendemos sobre nós olhando pra eles, e ainda olhamos.
E quando já íamos nos esquecendo dessa forte referência, aparece o presidente Barack Obama.
O farol estava novamente restabelecido.
Isso explica o fenômeno Pantera Negra mas não o decifra.
A partir daqui, spoilers sensitivos.
Dentro do roteiro de Pantera Negra algumas mensagens se perdem para olhos destreinados mas não para os milhares de espiões de Wakanda que foram espalhados e doutrinados pelo mundo por meio de mensagens subliminares ano a ano, lançadas na mídia e falando aos corações famintos de justiça e liberdade.
Sim meu amigo, se você é um conterrâneo já entendeu tudo neste ponto do texto.
E quantos dos caras citados acima eram de Wakanda... E com Barack, Wakanda governou e se escondeu do mundo ao mesmo tempo.
E agora?
Estamos em guerra irmãos? Nossas tribos se dividem entre os que querem vingança e entre os que querem ser melhores que os opressores, os colonizadores.
É uma guerra ideológica mas também sangrenta, que deixa baixa entre nós e nos tiram os melhores guerreiros.
A questão é: Sabemos que podemos, sabemos que somos maiores e mais mortíferos. Temos mais força e mais ódio, mas também mais consciência e mais amor.
Sim, podemos. Mas devemos?
Eis a mensagem do Pantera. Nosso rei submete a decisão à votação e nós teremos de escolher, como um dia já debateram Zumbi e Ganga Zumba este mesmo tema.
De todo modo teremos que escolher, que seja pelo bem de Wakanda.
Seria o bem de Wakanda o bem de toda a humanidade?
Faça um xis com os braços e abaixe com toda força.
Paz irmão.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Fantasma Já Eris

Já imaginou se na década de 80 ou 90 pudéssemos crescer com auto estima.
Se nossos heróis não fossem ocultados da mesma maneira que ocultam nossa história nos fazendo acreditar que os nossos não são nossos.
Que quem nos salva são os outros.
Se com toda esta opressão e dissimulação chegamos até aqui, onde estaríamos se fosse o jogo mais justo.
Ainda matam muitos de nós de maldade, de descaso, de mosquito e até na bala da cabula.
Mas não mais hão de nos matar de vergonha ou de falta de auto estima.
Hoje sabemos quem somos e eles têm razão de nos temer, pois nossa realeza sobreviveu.
A Nation Under Our Feet
Long Live the king within us

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Gravata Feouxa

Você sabe qual é a importância de um Hooby?

Quando eu era um Jovem Aprendiz do Senai na década de 90, conheci a realidade de empresas do Grande ABC.
Na epoca eu era aprendiz de eletricista e trabalhava na Bom Bril.
Conheci funcionários  (chamados pião) que estavam na empresa há mais de 20 anos e, pasmem, nunca tinham folgado sequer 1 domingo.
Vendiam suas férias e trabalhavam todos os dias.
Quando se aposentavam, compulsóriamente   morriam em 2 ou 3 meses.
Este é o chamado "Mal da Ociosidade", uma síndrome que acomete pessoas que fazem do seu trabalho, sua vida e apenas isto.
Daí a necessidade de se desconectar, de variar seus interesses.
O dominó ou o carteado em família, o surfe, o artesanato, a dança, o violão, o clube de leitura, o videogame, o yoga, a oração... não são inúteis, muito pelo contrário, são atividades que integram e compõem a plenitude do ser.
Então não substime a força do Hobby, aquela atividade que você desenvolve por PRAZER😉.
Eu sou *Dr Helton Fesan* e quis compartilhar meu hobby com vocês, me conte, qual é o seu?

#boraprapista