sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Governando a vida - Opções

Opção A - Eu tenho uma fazenda e neles animais que são muito amados. Eles não raciocinam mas são  muito amados e se limitam a fazer as coisinhas deles no mundinho deles. Eu tenho todos os recursos e mando na vida deles. Eles não podem sair da fazenda mas eu nao deixo faltar nada pra eles. São muito amados. Na verdade, sempre digo pra mim mesmo que a fazenda não é minha, é de todos. Minha e dos animais que eu cuido.
Opção B - Eu tenho uma fazenda. Nela há pessoas trabalhando. Não sei quem são e não me importo, quero que elas trabalhem. Minha meta é pagar menos ou pagar nada por esse trabalho, não me importo. A fazenda é minha. Quem não está feliz, pode ir embora.
Se não  gostam, comprem uma fazendo pra vocês.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Willian Waak. E daí?


Uma medida de lei que defendo há  anos é a mudança da lei de Registro Cívil para que se permita que indivíduos adotem novos nomes de família...

Minha time line está contaminada pelo nome de William Waack.
O que ele fez? Repetiu no âmbito privado uma piada racista comum e deu o azar de ser filmado.
Onde e quando? Ano passado cobrindo a vitória de Donald Trump.
Todos sabemos que a Vitória de Trump foi uma derrota muito maior para o então presidente Barack do que para a presidenciável Clinton.
O infeliz comentário, depois de um buzinaço na rua, muito provável foi uma referência a tantos pretos descontentes com a vitória do candidato polêmico e racista (como dizer que uma gritaria após uma talvez vitória de Bolsonaro fosse coisa de petista, ou coisa de viado, ou coisa de preto…)
Mas a questão maior (ou menor) é a retumbante pergunta: E DAÍ?
O negro que me disser que não sabe que a classe média culta e alta brasileira é racista em maior ou menor medida é cego, louco ou recém chegado por estas bandas.
Então William Waack também é racista, ou guarda algum racismo? Oooohhhhhhh que surpresa!😰
Agora surpresa mesmo é a reação de até ódio do movimento negro  (com direito a poemas inspirados) como se o fato fosse a maior das bandeiras de luta da comunidade negra em anos.
Foi desprezível? Claro que sim. Mancada? Das grandes? Muda alguma coisa em nossas vidas? Nada. Absolutamente nada.
E se a globo demiti-lo? Não muda nada.
Então o que muda o racismo?
Ao meu ver, mudando a percepção que se tem dos indivíduos que são vítimas do racismo.
E como fazer isso?
Promovendo a emancipação e ascensão destes indivíduos.
Como fazer isso?
Primeiro, no sentido de prioridade máxima, com o comprometimento destes indivíduos (no caso os negros) com esta emancipação e ascensão.
Aí entra uma medida que parece de difícil aplicação. O que foi retirado de mais importante e significativo da população negra?
Liberdade? Bens? Cultura? Nada disto.
O senso e possibilidade de FAMÍLIA.
Nada foi mais destrutivo para nós indivíduos do que a perda dos nomes de família e a separação de seus clãs.
Quando dizemos “Famílias Tradicionais” não pensamos em negros, porque aqui, eles não as têm.
Quando um militante negro apaixonado quer citar exemplos de êxodo negro no Brasil, enche-se de exemplos de cantores e cantoras, fala do samba, do blues (que é genuinamente gringo) e um ou outro nome da literatura…
Não cita a família Rebouças, Assis, Trindade, Santos, pois alguns (ou muitos) indivíduos negros carregam esses nomes sem contudo pertencer a estes clãs. São acidentes de dinastias.
Então o que fazer?
Primeiro a defesa da família tradicional é o único caminho que faz sentido para uma reestruturação da comunidade negra, pois, a degradação da família é algo que enfraquece os mais pobres e fortalece as famílias já estruturadas.
Fortalecer os princípios familiares e incentivar a formação de Famílias Estruturadas (Pai, Mãe, Avós, TODOS PRESENTES) é uma.medida que afeta diretamente a comunidade negra para melhor. Basta ver os dados familiares de jovens infratores e detentos e cruzá-los com dados de jovens negros que entram em faculdades para ver o estatisticamente a diferença que a estrutura familiar faz na jornada de vida de cada um.
Quando vejo a juventude negra iludida com falsos princípios de diversidade, com bandeiras que vão contra o modelo de família, penso que são atiradores com armas invertidas.
Como a raposa que namora uvas, olham para o que mais lhe fez falta e ao invés de construir escadas e meios decidem desdenha-la e até atacá-la.
Uma medida de lei que defendo há  anos é a mudança da lei de Registro Cívil para que se permita que indivíduos adotem novos nomes de família, o que daria a possibilidade da construção de clãs. Um casal poderia ter o orgulho e a possibilidade de iniciar uma história para se passar aos seus descendentes e fortalecer assim as famílias.
Mas voltando ao assunto inicial, do cara que teve um comentário racista, qual era o nome dele mesmo…

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Quando o radicalismo te chama para dançar.


Demorei para me pôr à escrever este texto. Precisava pensar, me centrar e entender o que estava acontecendo e não falar bobagem.
Alguns tem medo de falar em público, eu tenho medo de escrever, de dar uma opinião ridícula qualquer sobre algum assunto e todos lerem aquilo repetidas vezes e saberem que o idiota que escreveu aquilo fui eu. É pior que a imagem do palestrante nu.
Em tempo de antagonismos é difícil imaginar opiniões que não exponham a nudez ideológica de quem se dê ao debate.
Esquerda e Direita política, Heteros e LGBTs, Judites e Marias…
Penso em mim como um exemplo de Brasileiro Médio. O resultado de uma criação sincrética religiosa mas predominantemente cristã. De pais pobres, de bairro suburbano no ABC Paulista.
Cresci acreditando em Deus, no trabalho como modo de vida, no estudo como caminho de ascensão. Frequentei quermesses, procissões, boates, forrós, pagodes e passeatas.
Fui CP no Senai e sim, fui de esquerda e fiz greve. Frequentei desde movimentos estudantis, até o Hip Hop…
Como se vê e como muitos daqui da região eu era essa mistura de tudo. Rígidos princípios que podiam se chamar de direita com militância genuína de esquerda. Cristão de novena e terço com benzedeiras e festa de Cosme e Damião no quintal de casa.
As coisas eram misturadas e facilmente entendidas. Daí uma tolerância natural às diferenças e diversidade.
Mas aí veio a internet e as redes sociais. Vieram os blogs, os vlogs e os textões.
Daí as idéias resolveram se divorciar litigiosamente. A esquerda decidiu que seria Esquerda mesmo.
Comunista de vermelho sangue, com o estado tentaculoso e faminto gritando que tudo é de todos desde que todos sejam do Estado. A diversidade LGBT foi convocada para não mais ser aceita e ocupar espaço. A ordem agora é se impor e invadir espaços como um híbrido cheio de ódio gritando que se a família não me aceita então não haverá família alguma. Negros, depois de tudo que alcançaram e já às portas da conquista maior, andam de costas e não mais falam o discurso de igualdade mas de ódio pelo branco, ódio pelos anos, ódio por tudo.
Daí, o homem médio sente medo. Se acua dentro de si e quando volta está pronto pra essa dança de morte.
Firma o pé Direito à frente de seu passo.
A mão Direita também se apresenta e nela tem um punhal.
Não se enganem, sim haverá sangue, sim haverá choro e a música será fúnebre.
É um convite maldoso e suicida.
Quem está acordando o que há de mais radical no conservadorismo do homem médio é o radicalismo insano de uma militância esquerdista insana.
Ocupar espaços é diferente de invadir espaços.
Quando se mexe com a família de alguém deve-se esperar a mais feroz reação. O que dizer quando se mexe com a família de todos?
Mas aí paro e penso melhor.
Já entramos, ao menos na internet, numa declarada guerra civil. Como em filmes de super heróis ninguém morre de verdade, mas até quando?
Quando irá demorar para essa disputa abandonar o campo virtual?
E a quem interessa essa polarização? Quem precisa desse clima de guerra para chegar ao.poder? Quem está atacando primeiro?
Mais uma vez aquela sensação de que não sei de tudo e de que alguém está jogando com as cabeças de nós pobres homens medianos…
Irmãos Medíocres, médios que nós somos, convoco a todos para que façamos o que melhor sempre fizemos. Não entremos na guerra pela guerra, nem busquemos o sangue de nós próprios. Não sejamos vítimas no tabuleiro dos que estão abaixo de nós, porque acima só temos e tememos à Deus.
Irmãos Medíocres, neste momento que nos convocam a odiar, eu vos chamo a Mediar.

sábado, 14 de outubro de 2017

O Leãozinho e a Formiga

O Leãozinho descansava na savana, entediado olhando folhas e galhos secos quando viu uma fila de formigas passando.
Achou interessante, quase fascinante aquela fila gigantesca marchando rumo ao monte de terra acumulada.
Aproximou-se do formigueiro e ficou olhando hipnotizado aquela engrenagem viva. Uma fila entrava carregando mantimentos e outra saía em busca de mais.
uma formiga mais graciosa que as outras com asas aproximou-se do Leãozinho e lhe perguntou:
  • Gosta do que vê Leãozinho?
  • Acho muito interessante, o trabalho de vocês é fascinante.
  • Humm, obrigada, nosso humilde formigueiro agradece. Mas diga leãozinho, e vocês leões, marcham em fila para encontrar mantimentos?
  • Na verdade não. Nós leões caçamos. As leoas se agrupam e cercam uma caça e depois comemos.
  • Nossa, que rustico. Um tanto selvagem não?
  • Nós somos caçadores.
  • Aqui nós coletamos, armazenamos, transformamos. Cada formiga tem uma função e cada função serve serve ao todo que é o formigueiro. Vejo que vocês oprimem as Leoas suas fêmeas não é…
  • Não, de modo algum…
  • Mas os leões tão maiores obrigam as pobres leoas a caçarem enquanto só observam, me parece exploração.
  • Nunca tinha pensado nisso.
  • É leãozinho, mas é bom pensar. Nunca questionou que só os leões mais fortes se alimentam bem? Tem os melhores lugares na savana, conseguem as melhores leoas… Aqui no formigueiro não temos tais diferenças, as formigas dormem no mesmo formigueiro, tem os mesmos direitos, não oprimem umas às outras. Não concorremos entre nós.
  • Poxa, parece bem legal.
  • Sabe leãozinho, não seria ótimo que os leões fossem como as formigas? Imagine que lindo, todos os leões marchando uns atrás dos outros sem diferenças de fortes ou fracos…
  • As leoas viriam juntas?
  • Melhor que isso leãozinho, não haveria leoas ou leões, esses são nomes que inventaram para determinar quem manda e quem obedece, chamaríamos todos de formigas, sem masculino ou feminino, apenas formiga.
  • Entendi, cada família de leões faria sua fila e...
  • Nada disso leãozinho, nada de famílias, nada de separação, seremos apenas um grande grupo de formigas...
Neste momento uma patada enorme acerta a formiga que discursava e destrói parte do formigueiro, revelando milhares de formigas que se apertavam nas entranhas da terra umas por cima das outras em um frenético trabalho de vai e vem.
Com um rugido enorme a leoa diz ao leãozinho:
  • Não dê ouvido aos insetos, não  vê que eles querem lhe enganar.
  • Mas mãe, ela estava falando coisas muito bonitas, sobre igualdade, sobre marchar juntos e sobre sermos formigas…
  • Leãozinho tolo, essas coisas são mentiras e artimanhas para destruir leões. Ela estava mentindo.
  • Como você sabe que era mentira? você nem a ouviu…
  • Leãozinho, quantas formigas tinham lá?
  • Milhões…
  • E quantas tinham asas?
  • Só uma… (responde com ar decepcionado e triste).
  • Viu, há palavras bonitas que disfarçam horríveis atitudes. Acabar com nossos valores, com nossos clãs, com nossa caçada… Ao invés de disputar a vida na savana andaríamos em filas guardando alimento para uma formiga aumentar suas asas.
  • Mas não teríamos que disputar, sem concorrência não haveria perdedores…
  • Isso não é vantagem filho, é covardia. Quando não há disputa é porque o vencedor já foi escolhido. É a luta para sobreviver que nos faz leões.
  • Eu gosto de ser leão...
  • Então aprenda filho, Leões não seguem formigas.


Helton Fesan

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Em Extinção

Quando somos pequenos a estranheza de ser o único é absurda. É o cúmulo do "não pertencencimento".
Eu fui um jovem Lobo-guará nessa situação.
Acho que o pior de viver assim é que na nossa cabeça  de lobo criança acreditamos realmente sermos uma espécie em extinção. Não temos a noção de que há outros (muitos) de nós.
Ser um ser em extinção é muito deprimente. As tartarugas marinhas, a baleia azul e até o último dinossauro que vagava sozinho na era glacial tem a minha mais profunda admiração e respeito. Eu sei o que vocês passaram e passam.
Mas enfim, cresci e a cada nova floresta ou savana um novo deserto particular se formava em meu peito e meu coração sozinho no meio.
Ao longe, na planície encontrava um igual a mim vagando sozinho ou em matilhas de outras espécies de Lobos europeus, tentando imitá-los, tentando enquadrar-se, tentando uivar igual, tentando caçar igual, tentando, tentando e tentando...
Mas Lobo-guarás são o que são e não adianta tentar ser o que não.
Eu ficava mais sozinho. Caçando o que podia e com medo de me arriscar nestas matilhas.
Acontecia uma coisa interessante e igualmente triste. Outras espécies que nem eram a minha, mas que por um motivo ou outro estavam também sozinhos, acabavam se juntando ocasionalmente a mim. Um lobo de perna quebrada, uma tartaruga órfã, um pardal sem uma asa... Não era exatamente uma matilha mas era um grupo, melhor que ser sozinho. Pra caçar era uma desgraça, pra se proteger pior ainda, mas por algum motivo era bom ficar junto... Talvez por entender que solidão mata.
Mas todo bicho cresce e eu também cresci.
Caçar sozinho se tornou um hábito e um lema. Evitar as matilhas ou se misturar a elas se tornou estratégia.
Os bichos solitários se adaptam.
Mas desde que Noé nos separou de par em par nos encontramos macho e femea, e eu, também me encontrei.
Uma Loba solitária me achou e comigo fez um lobinho.
Poxa que emocionante, enfim uma matilha com focinhos iguais ao meu.
Mas o filhote está na idade de aprender a caçar e nem tudo posso ensiná-lo, afinal, caçamos sozinhos.
As vezes, olhando ele perambulando solitário no serrado, ou olhando distante a matilha de lobos europeus caçar me pergunto: Não seria melhor se nós Lobo-guarás também formassemos matilhas?